Correio Braziliense - 01/12/2016 às 14:06:16

Vacina decisiva contra o HIV

O golpe de misericórdia no HIV. Eis a aposta de médicos e pesquisadores para um projeto de vacinação experimental que será iniciado hoje, na África do Sul. O país que contabiliza mil novos casos diários de contaminação começa um ensaio clínico inédito com 5.400 voluntários e duração estimada de quatro anos. O trabalho é apontado na comunidade científica como o mais promissor desde a identificação do vírus causador da Aids, em 1983. “Se for utilizada ao mesmo tempo que os métodos de prevenção com eficácia comprovada que já adotamos, uma vacina segura e eficaz seria o último pregão no caixão para o HIV”, acredita Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) dos Estados Unidos, um dos financiadores do projeto.

Batizado HVTN 702, o estudo contará com a participação de homens e mulheres sexualmente ativos, com idade entre 18 e 35 anos e moradores de 15 localidades sul-africanas. Uma parte do grupo tomará a substância imunizadora, e outra, um placebo, sendo que a divisão entre os voluntários será aleatória. Todos os participantes receberão um total de cinco injeções ao longo de um ano. A segurança deles será cuidadosamente monitorizada, com a oferta, inclusive, do padrão de cuidados para a prevenção da infecção pelo HIV. Os resultados finais são esperados para o fim de 2020.

Os sul-africanos receberão uma versão “reforçada” de uma vacina testada em 2009 na Tailândia em mais de 16 mil voluntários. À época, a intervenção, chamada RV144, reduziu em 31,2% o risco de contágio nos participantes três anos e meio depois que eles foram imunizados. Foi desenvolvida, então, uma adaptação ao subtipo do HIV que predomina na África Austral. A primeira fase, menor e tendo como foco a segurança da substância, teve os resultados anunciados em julho deste ano, na 21ª conferência internacional sobre a Aids, em Durban na África do Sul. Com duração de 18 meses, a etapa intitulada HVTN100 teve 252 voluntários, que tinham risco muito baixo de contrair o HIV. O sistema imunológico deles reagiu bem à vacina, disse, à época, Kathy Mngadi, uma das pesquisadoras participantes do projeto.

A etapa que será iniciada hoje tem o intuito de avaliar a eficácia da vacina. Segundo Lynn Morris, médico do Instituto Nacional de Doenças Contagiosas (NICD) da África do Sul, os resultados obtidos na Tailândia não são suficientes para que a vacina saia do campo experimental e comece a ser prescrita pelo mundo. “Estabelecemos um limite mínimo de eficácia em 50%”, explica. Anthony Fauci, diretor do NIAID, avalia que desempenhos nesse nível já são suficientes para causar um impacto positivo. “Até mesmo uma vacina moderadamente eficaz reduziria de forma significativa o peso da doença em países e populações muito infectadas.”

Cuidados seguem

Com 7 milhões de soropositivos, a África do Sul tem um dos índices de prevalência de HIV mais altos do mundo: 19,2%, segundo o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids). Anualmente, 2 milhões e meio de pessoas no mundo são infectadas pelo vírus, que, desde os anos de 1980, causou 30 milhões de mortes. Por isso, mesmo com o otimismo em torno da vacina que será testada, especialistas insistem na importância de não baixar a guarda frente à doença. “Uma vacina eficaz seria um ponto de inflexão, mas esses ensaios durarão anos. Temos que continuar utilizando os outros métodos de prevenção para reduzir os novos contágios”, reitera o médico Lynn Morris.

Melhorias no acesso ao tratamento têm permitido o controle da evolução do vírus e o aumento da expectativa de vida de soropositivos pelo mundo. A Unaids estima que, em 2015, havia um número recorde de pessoas com mais de 50 anos vivendo com HIV: 5,8 milhões, dos 36,7 milhões de infectados. No caso dos sul-africanos, a média do tempo de vida dos soropositivos é de 62,9 anos. “O HIV teve um número devastador na África do Sul, mas, agora, começamos uma exploração científica que poderá ser uma grande promessa para o nosso país. Se for encontrada uma vacina contra o HIV que funcione na África do Sul, poderia alterar drasticamente o curso da pandemia”, aposta Glenda Gray, presidente e diretora executiva do Conselho de Pesquisa Médica do país. O órgão participa do projeto com o NIAID, a Fundação Bill e Melinda Gates, os laboratórios Sanofi Pasteur e GlaxoSmithKline e a Rede de Ensaios de Vacinas contra o HIV.

Alerta na Rússia

A Rússia tem passado por um aumento preocupante do número de infectados pelo HIV, alertou ontem o diretor do Centro Federal de Luta contra a Aids, Vadim Pokrovski. Segundo ele, a quantidade de soropositivos aumenta 10% a cada ano no país. Em 2015, foram registrados oficialmente 110 mil novos casos, o equivalente a 270 por dia. “A situação só se agrava e, atualmente, ameaça a segurança nacional, pois poderia se transformar em uma epidemia generalizada antes do fim de 2021”, explicou o especialista.

Mais da metade dos novos infectados (51%) é dependente químico, enquanto 47% se contaminaram ao manter relações sexuais heterossexuais sem proteção e 1,5% adquiriu o vírus durante relações sexuais homossexuais. “A Rússia é o único país do mundo em que os dependentes (químicos) representam mais de 50% dos soropositivos”, destacou Pokrovski, ressaltando que o enfrentamento ao avanço da doença não depende apenas de apoio financeiro. “A questão não é só os fundos públicos serem suficientes. Nem sequer se fala sobre a prevenção de novos casos.”

O presidente russo, Vladimir Putin, tem apoiado a promoção de ideias conservadoras — trocou, por exemplo, as campanhas informativas por chamados à abstinência — e os poderes públicos russos focam mais no tratamento da Aids do que na prevenção. Conforme dados oficiais, os soropositivos representam 0,58% da população de 146,5 milhões de pessoas. Segundo Pokrovski, os cálculos do Centro Federal de Luta contra a Aids indicam para uma taxa entre 0,89% e 0,96% dos habitantes, o equivalente a 1,3 e a 1,4 milhão de pessoas.











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Projeto Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
Anuidade
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda e Eventos Farmacêuticos
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Responsabilidade Social
Atitude Farmacêutica
CRFMG de Vantagens
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Rodrigues Caldas, 493 - Santo Agostinho
Belo Horizonte/MG | CEP: 30.190-120
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 08h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2021 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG