Posicionamento do CRF/MG quanto ao uso precoce de cloroquina e hidroxicloroquina para pacientes com diagnóstico da Covid-19

Comunicação CRF/MG - 28/05/2020 às 10:34:33

Posicionamento do CRF/MG quanto ao uso precoce de cloroquina e hidroxicloroquina para pacientes com diagnóstico da Covid-19

Clique aqui e acesse a nota técnica.

 

O Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF/MG) visando a proteção e promoção da saúde e seu compromisso com a ciência, com a técnica e com o exercício ético da profissão farmacêutica, vem por meio deste orientar e dar parecer sobre a publicação do Ministério da Saúde, do dia 20 de maio de 2020, que trata das “orientações para o manuseio medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da Covid-19”.

Desde de janeiro de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a disseminação da Covid-19 como uma emergência de saúde pública mundial, diversos estudos foram conduzidos na tentativa de propor uma terapia segura e eficaz para o combate à doença. Dentre esses, foi dado destaque, especialmente no Brasil, para a utilização da cloroquina e da hidroxicloroquina associadas à azitromicina, mesmo sem que tenha sido demonstrado, até o momento, estudos científicos que comprovem os benefícios da terapia.

Em 22 de maio, a revista científica The Lancet publicou em um estudo multinacional, observacional, realizado com 96.032 pacientes, em 671 hospitais e a conclusão apresentada diz que “não foi possível confirmar um benefício da cloroquina ou hidroxicloroquina, quando usado isoladamente ou com um macrólido, nos resultados hospitalares da Covid-19. Ao contrario, o que se observou foi relação entre os esquemas medicamentosos com cloroquina ou hidroxicloroquina, à diminuição da sobrevida hospitalar e a um aumento da frequência de arritmias ventriculares quando usado no tratamento da Covid-19. Os resultados sugerem que esses esquemas medicamentosos não devem ser usados fora ensaios clínicos e são necessários confirmação urgente de ensaios clínicos randomizados.

Com base na pesquisa, a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou, dia 25 de maio, a interrupção do uso da cloroquina e hidroxicloroquina em testes para tratamento contra a Covid-19.

Entendemos que, excepcionalmente, em casos críticos, com diagnóstico confirmado para a Covid-19, o médico deve avaliar a possibilidade de utilização da terapia farmacológica, baseando-se na anamnese clínica e na relação custo benefício, considerando a possibilidade de reações adversas graves decorrentes do uso da cloroquina ou hidroxicloroquina.

Infelizmente, o Ministério da Saúde impõe ao médico e principalmente ao paciente, a assinatura de um termo de consentimento e ciência, responsabilizando-o pela adoção do uso cloroquina ou hidroxicloroquina, mesmo nos casos leves da Covid-19, desconsiderando sua possível incapacidade de avaliação ampla e crítica dos riscos na terapia.

Dessa forma, considerando as recomendações do Conselho Federal de Farmácia (CFF), de diversas entidades médicas e, especialmente, a Resolução nº 42 de 22 de maio de 2020, publicada pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), recomendamos aos farmacêuticos atuantes em Minas Gerais para a não dispensação indiscriminada e precoce de cloroquina e hidroxicloroquina, especialmente se prescritas para pacientes com sintomas leves da Covid-19.

Ressaltamos que a dispensação de “kits para a Covid-19” contendo cloroquina ou hidroxicloroquina, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), é irregular e fere as diretrizes impostas pela Portaria nº 344/98, pela RDC nº 20/2011 e RDC nº 80/2011, publicadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

As pressões políticas e sociais não devem nortear a decisão para adoção de protocolos terapêuticos que não se sustentem na demonstração de eficácia e segurança. O paciente é o foco da Assistência Farmacêutica, e o farmacêutico atuante no Sistema Único de Saúde deve, sempre que necessário, intervir juntos aos gestores púbicos para revisão de diretrizes que possam colocar em risco a saúde da população.

Se ocorrer, a dispensação dos medicamentos relacionados no esquema terapêutico proposto pelo Ministério da Saúde, que contém difosfato de cloroquina ou sulfato de hidroxicloroquina associados a azitromicina, destinada ao tratamento precoce de casos leves da Covid-19, deve ser feita de forma criteriosa e orientada, mediante confirmação do diagnóstico e apresentação do termo de consentimento e ciência assinado pelo paciente. O acompanhamento farmacoterapêutico e a monitorização dos pacientes deve ser ainda mais cuidadosa, tendo em vista as possíveis complicações da Covid-19.

A Lei 13.021/2014 e a Resolução do CFF nº 357/2002, respaldam a autonomia técnica do farmacêutico na decisão para o atendimento ou não da dispensação de quaisquer medicamentos, tendo em vista a garantida da eficácia e segurança da terapêutica prescrita. Dessa forma, o farmacêutico tem o dever e o direto de não realizar atos contrários aos ditames da ciência e que possam colocar em risco a saúde da população, tendo total amparo pelo Código de Ética da Profissão, descrito pela Resolução do CFF nº 596/ 2014, que estabelece:

“Art. 11 – É direito do farmacêutico:

VI - negar-se a realizar atos farmacêuticos que sejam contrários aos ditames da ciência, da ética e da técnica, comunicando o fato, quando for o caso, ao usuário, a outros profissionais envolvidos e ao respectivo Conselho Regional de Farmácia;”

O CRF/MG está ao lado da classe farmacêutica e se coloca à disposição para apoiar os profissionais que, de qualquer forma, se sentirem ameaçados no cumprimento ético e correto dos deveres de nossa profissão.

 

Atenciosamente,

 

 

Farm. Júnia Célia de Medeiros

Presidente do CRF/MG







Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Projeto Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
Anuidade
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Empresa Nova - Registro
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda e Eventos Farmacêuticos
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Mídias Sociais
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Responsabilidade Social
Atitude Farmacêutica
CRFMG de Vantagens
Receita Legível
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Rodrigues Caldas, 493 - Santo Agostinho
Belo Horizonte/MG | CEP: 30.190-120
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 08h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2021 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG